DICA DE MESTRE

                  A escolha pelo Direito e o Exame de Ordem




 Ao ingressar no quarto ano do curso de Direito, o graduando já começa a ser questionado sobre o Exame de Ordem: quando prestará tal certame, qual disciplina escolherá para segunda fase, entre outros questionamentos.

De fato, o Exame de Ordem é uma “inquietação” para o discente de Direito. Entretanto, essa “questão de honra” pode ser bem administrada se o examinando tiver disciplina nos seus estudos e, além disso, uma clara consciência desde o início da graduação, sobre a escolha que fizera.


Após a unificação do Exame de Ordem, ocorrida em 2010, os índices de aprovação têm sido baixos. Na verdade, já o eram antes. Não podemos mensurar, ao certo, a causa de tal fato. Entretanto, para José Renato Nalini[1], o problema inicia-se desde o vestibular, quando milhares de jovens optam pelo Direito, sendo que grande partes deles desconhecem o que seja o compromisso jurídico.

Com mais de mil universidades espalhadas pelo país, são formados, continuamente, grande quantidade de bacharéis em Direito; entretanto, os índices de aprovação do Exame de Ordem não se apresentam muito animadores.

Com a Dica de Mestre deste mês de novembro, objetivamos atentar os graduandos em Direito para a conscientização da escolha desse caminho. Para tanto, escolhemos as palavras de José Renato Nalini, extraídas de seu livro Ética Geral e Profissional[2], uma breve abordagem sobre o Exame de Ordem e a postura do discente.

“É desalentador o quadro que acomete imensa parcela dos bacharéis. Muitos deles não conseguem ser aprovados no Exame da OAB. Verdadeiro vestibular às avessas, para credenciar ao exercício profissional apenas aqueles que detêm condições mínimas de desempenho. As provas são singelas, de reduzidíssima complexidade. Mesmo assim, os índices de aprovação continuam pífios. Não é raro que apenas 10% dos concorrentes logrem classificar-se e obter a carteira da OAB, que lhes permitirá serem advogados.

O resultado do baixo aproveitamento do ensino jurídico é o adensamento da legião de bacharéis desiludidos. (...) Os cinco anos da faculdade são alegres, puro deleite. O único problema é o sexto ano. Agora já não há o apelo ao professor para melhorar a nota, para suprir as faltas, para obter dilatação de prazo, nunca fatal durante o curso. O compromisso do formado é com sua vida. O que fará com o diploma? Aproveitou os cinco anos para se formar e se transformar num profissional? Terá condições de vencer na profissão?

Aqueles que não assumiram o compromisso de extrair do curso jurídico todas as suas potencialidades encontrarão todas as portas cerradas. Não conseguirão ultrapassar a barreira do Exame de Ordem. Nunca obterão êxito nos concursos públicos, cada vez mais disputados. Continuarão a fazer o que sempre fizeram e com uma diferença. Sentir-se-ão frustrados, pois o investimento durante os cinco anos para nada lhes serviu. É importante pensar nisso enquanto ainda na escola. Depois, embora não seja impossível recuperar o tempo perdido, tudo será muito mais sacrificado.”

É de suma relevância, portanto, que o acadêmico reflita os motivos determinantes de sua escolha pelo Direito.

Assim, estando consciente de suas razões e de seus objetivos o Exame da Ordem torna-se apenas mais uma etapa, sendo isso mesmo o que é, exceto para aqueles que escolhem o Direito desconhecendo o importante compromisso assumido ao escolher o curso, quando o certame transforma-se em uma guerra com inimigo imprevisível.

Neste raciocínio, segundo o autor supramencionado, “o primeiro dever do estudante de direito é se manter lúcido e consciente. Indagar-se sobre o seu papel no mundo, a missão que lhe foi confiada e que depende, exclusivamente, de sua vontade. Atingido o discernimento, o estudo contínuo, sério e aprofundado será consequência natural. A pessoa lúcida sabe que ela pode, no espaço do seu universo, por pequeno e insignificante lhe pareça, transformar verdadeiramente o mundo.”

E você? Já sabe, realmente, as suas razões para ter escolhido o Direito? Sabe o papel que desempenha e que vai desempenhar? Está consciente do seu compromisso?

Questione-se.


A DICA DE MESTRE é postada no blog LADO DIREITO no dia 1º de cada mês. Fique atento!


[1] José Renato Nalini é Corregedor Geral da Justiça do Estado de São Paulo, biênio 2012/2013. Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo. Docente universitário. Membro da Academia Paulista de Letras. Autor, entre outros, de Ética da Magistratura (2ª ed.), A Rebelião da Toga (2ª ed.) e Ética Ambiental (2ª ed.).
[2] NALINI, José Renato. Ética geral e profissional. 5ª ed. rev., atual. e ampl. – São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006.

Um comentário :

  1. QUANTO A CONSTITUCIONALIDADE DO EXAME DE ORDEM,QUAL SEU POSICIONAMENTO, E QUEM DEVE COBRAR O APRENDISADO A OAB OU O MEC ?

    ResponderExcluir

Copyright © 2014 LADO DIREITO - Desenvolvido por Vandré Leal Cândido.